Propaganda do Governo do Estado do Piauí

O amar e o amor

27 de maio de 2020

Érico Veríssimo, grande escritor brasileiro nascido no Rio Grande do Sul, disse certa vez que o amor está mais perto do ódio do que a gente geralmente supõe. São o verso e o reverso da mesma moeda de paixão…

Amor e ódio são sentimentos fortes e envolventes. 

Embora diferentes, são capazes de despertar emoções intensas e podem habitar o mesmo coração, separados apenas por uma linha bem fina.

A diferença é que o amor constrói e o ódio destrói.

O amor é cego, não vê maldade, se orienta pelo coração, joga com carinho, se defende com ternura, se aproxima com ilusão, admira as qualidades e aceita os defeitos.

O ódio enxerga além do que vê, se orienta sem razão, joga com ironia, se defende com agressividade, se aproxima sem se iludir e não acha nada para admirar, porque vê maldade até onde não há.

São como dois lutadores numa batalha incessante, um está sempre à espera da fraqueza do outro para romper a linha e transformar amor em ódio ou ódio em amor.

Amar é melhor do que odiar, sem dúvida.

Vale a pena adicionar uma pequena história neste texto.

O marido foi visitar um sábio conselheiro e disse-lhe que já não amava sua mulher e pensava em separar-se.

O sábio escutou-o, olhou-o nos olhos e disse-lhe apenas uma palavra:

– Ame-a! E logo se calou.

– Mas, já não sinto nada por ela!

– Ame-a! disse novamente o sábio.

E diante do desconcerto do marido, depois de um breve silêncio, o sábio disse-lhe o seguinte:

– Amar é uma decisão, não apenas um sentimento; amar é dedicação e entrega.

Amar é um verbo e o fruto dessa ação é o amor. 

O amor é um substantivo, um exercício de jardinagem: arranque o que faz mal, prepare o terreno, semeie, seja paciente, regue e cuide. 

Esteja preparado porque haverá pragas, secas ou excessos de chuvas, mas, nem por isso, abandone o seu jardim. 

Ame seu par, aceite-o, valorize-o, respeite-o, dê afeto e ternura, admire e compreenda-o. 

Isso é tudo. Ame, simplesmente ame!” 

A inteligência sem amor, te faz perverso.

A justiça sem amor faz você implacável.

A diplomacia sem amor faz você hipócrita.

O êxito sem amor faz você arrogante.

A riqueza sem amor faz você avarento.

A docilidade sem amor, faz você servil.

A pobreza sem amor faz você orgulhoso.

A beleza sem amor faz você fútil.

A autoridade sem amor faz você um tirano.

O trabalho sem amor faz você escravo.

A simplicidade sem amor deprecia você.

A oração sem amor faz você introvertido e sem propósito.

A lei sem amor escraviza você.

A política sem amor deixa você egoísta.

A fé sem amor deixa você fanático.

A cruz sem amor se converte em tortura.

A vida sem amor não tem sentido.

(Do livro Opinião com Chico Leal)

Leia também

Contato
  • (86) 99972-0111
  • jornalismo@teresinafm.com.br


Anuncie conosco
  • (86) 98153-2456
  • comercial@teresinafm.com.br
Teresina FM