Chico Leal

O poeta

20 de outubro de 2020

Costumamos homenagear os mais diversos segmentos da sociedade.

Homenageamos o professor, a criança, o Piauí; homenageamos personalidades, políticos.

Hoje, nossa homenagem vai para um ser muito especial, singular mesmo. Um ser respeitado por muitos, mas que às vezes é tido como louco, lunático, desocupado, vagabundo…

Homenageamos hoje o poeta. Fernando Pessoa, o grande poeta português, dizia que o poeta é um fingidor, finge tão completamente que chega a fingir que é dor a dor que deveras sente.

Outros menos famosos dizem que o poeta é orgulhoso, mas o orgulho dos poetas não passa de defesa; a dúvida atormenta até mesmo os melhores; eles necessitam de nosso testemunho para não se desesperarem.

A poesia é a arte de materializar sombras e de dar existência ao nada;

Da Costa e Silva, o poeta maior do Piauí, dizia que o poeta nasce poeta:

Quando nasci, o Destino
Fez-me poeta, ainda no berço;
Tanto assim que, pequenino,
Minha mãe, rezando o terço,
Pensava no meu destino,
Entre os vaivéns do meu berço…

O poeta é, na verdade, um iluminado.

Só o poeta consegue ver através das coisas, pode ver o sentimento.

Só o poeta ler com os olhos e sente com a alma; só ele e mais ninguém tem essa capacidade de compreender aquilo que fisicamente não existe.

Para o poeta sorocabano Ulisses Tavares, só o poeta consegue enxergar o que ninguém vê.

O poeta nos faz enxergar, sentir, amar e ver o belo no simples.

Só o poeta é capaz de definir com perfeição uma saudade, porque a poesia é a arte de materializar sombras e de dar existência ao nada.

Segundo Ataíde Lemos, escritor paulistano, um poeta romântico nos faz viajar no amor; um poeta social, crítico, nos faz refletir nossas atitudes; um poeta nostálgico nos faz viajar dentro de nosso interior saudoso; um poeta da terra nos faz desfrutar da beleza que há na natureza num simples som de um riacho, num cantar de pardal.

O poeta e a poesia são fundamentais para as emoções dos seres humanos. 

Como escreveu uma poetisa portuguesa:

 

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior

Do que os homens! Morder como quem beija!

É ser mendigo e dar como quem seja

Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor

E não saber sequer que se deseja!

É ter cá dentro um astro que flameja,

É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!

Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim…

É condensar o mundo num só grito!

 

Voto consciente

20 de outubro de 2020

Posso parecer repetitivo. Mas é importante, mesmo que realmente seja repetitivo.
Estamos a menos de um mês das eleições municipais.
Com certeza muita gente já definiu o nome de seu candidato a prefeito e a vereador. Mas também é certo que muita gente ainda não escolheu.
Escolher um candidato, definir o voto, é um momento muito importante no processo eleitoral. É nessa definição de voto que você traça os rumos do seu município, traça o seu futuro.
Daí a importância do voto consciente.
O voto consciente é aquele voto em que o eleitor tem a certeza de que escolheu bem. É aquela escolha em que você acredita que está apto a atender a demandas da população. O seu voto, afinal, é em beneficio do município, não é para atender seus projetos pessoais.
O voto tem que ser desapegado.
Na hora de definir o voto, leve vários aspectos em consideração. Conheça as plataformas dos candidatos a prefeito e a vereador. Não vote no primeiro que aparecer.
Outro ponto importante é a lisura do candidato. Seria aquele um candidato corrupto, interessado apenas no que ele pode ganhar para si com a política? Qual o seu passado?
Vote em propostas que possam melhorar as condições de vida de cidade e de seus conterrâneos, mas analise também os candidatos. Veja suas companhias, veja o passado do candidato.
Veja, enfim, se ele tem condições de fazer aquilo que está prometendo. Essas promessas nem sempre viram realidade. Geralmente são apenas para chamar a atenção dos eleitores. Já assistimos a esse filme.
De qualquer forma, saber a história do seu candidato em detalhes revelará coisas importantes sobre seu passado e suas convicções e lhe dará uma ideia melhor sobre sua aptidão ao cargo.
O horário eleitoral gratuito no rádio e na televisão, apesar de chato, é uma ferramenta importante de ajuda ao eleitor. Assista.
O eleitor, em nenhum momento, deve esquecer a importância do voto, do seu voto.
O voto é o que nos nivela por cima. Só o voto é capaz de fazer isso. Só o voto coloca pobre muito pobre no mesmo patamar do rico muito rico. O voto de um tem o mesmo valor do voto do outro.
Nenhum outro instrumento é capaz de tanto.
O voto é sua arma para mudar, mas também é sua arma para deixar tudo do jeito que estar.
Você, eleitor, rico ou pobre, tem esse poder nas mãos.
Por isso, não venda, não empreste nem alugue o seu voto.
Vote consciente e saia com o dever da missão cumprida.

O Piauí e seus improvisos

19 de outubro de 2020

Hoje é o Dia do Piauí.

Infelizmente insistimos em comemorar o Dia do Piauí em data errada.

Festejamos erroneamente uma proclamação de independência, como se fosse o aniversário do estado.

O Piauí existe há mais de 300 anos. A capitania do Piauí foi criada em 1718, mas como aqui tudo sempre foi muito difícil, só foi instalada definitivamente em 1758, quando teve direito a ter um governador.

A própria história exige essa revisão.

Infelizmente ninguém liga para esses pequenos detalhes, pelo menos nos tempos que correm.

Esse descaso atrapalha e confunde as pessoas.

Preferimos criar outras datas, todas elas inapropriadas para festejar o Dia do Piauí.

Além do dia 19 de outubro, temos o 24 de janeiro e mais recentemente ganhamos o 13 de março. Tratam da fundação do hoje estado do Piauí como se a história fosse apenas um pequeno detalhe a mais ou a menos.

Graças a isso temos um estado com menos de 200 anos e uma capital com mais de 300, o que, por si só, é uma coisa inexplicável.

Mesmo diante de tanto barulho temos que tocar a vida.

Como todos sabem, o Piauí surgiu, ainda lá na província, como um grande criador de gado. O gado interiorizou nossos desbravadores. Foi, durante muito tempo, o grande criatório da nação.

Como tudo o que já foi próspero por aqui, a importância do gado para o nosso desenvolvimento também foi minguando.

À época já tínhamos tendência para o modismo.

Abandonamos o gado e seguimos outros caminhos. Caminhos que ainda hoje não conseguem nos tirar da encruzilhada em que nos metemos.

Já testamos várias maneiras e não conseguimos mais dar um único passo a frente.

Essa situação reflete claramente que não temos um planejamento. Revela de forma inquestionável que não temos prioridades.

Em nenhum momento da nossa história elegemos prioridades, em nenhum  momento pensamos no futuro.

Somos frutos do improviso.

Até por dever de justiça temos que reconhecer que nosso problema não é o Piauí propriamente dito. O Piauí poderá ainda ter um belo futuro pela frente, dede que abandone imediatamente o improviso.

O Piauí de um belo futuro depende necessariamente da mudança de pensamento de nossos gestores, que preferem gastar sem retorno, que preferem gastar apenas e tão somente para agradar os chefes políticos.

Obras eleitoreiras, como todos sabem, não levam a lugar nenhum. Se levassem, o Piauí seria um grande exemplo para toda a nação. E não somos.

Eu te amo

16 de outubro de 2020

Amor não se vê com os olhos, mas com o coração. É um amor pobre aquele que se pode medir. (William Shakespeare)

Nunca desista de amar.

Assuma sempre o risco de demonstrar seu amor, mesmo que a outra pessoa não vá aceitá-lo. Amar alguém não é um problema nem um defeito. Amar é uma virtude.

Saiba sempre que amar pode dar certo.

O amor é eterno e maravilhoso em sua essência, capaz de realizar as mais importantes transformações em um ser humano, mas as pessoas atualmente se machucam muito porque não aprenderam a amar de uma forma plena.

O problema não está no amor.

O ser humano não consegue ser feliz sozinho.

Desistir de amar é deixar de lado uma parte fundamental da própria vida.

Vale a pena amar, acreditar no amor, entregar-se ao amor.

O amor satisfaz os nossos mais profundos desejos de compreender e ser compreendido, de valorizar e ser valorizado, de dar e receber.

O ser humano só pode existir em paz consigo mesmo se puder se relacionar com uma pessoa a quem diga, com palavras e gestos, “eu te amo” e de quem ouça com total sinceridade: “Eu também te amo”.

Mas amar supõe evoluir todos os dias, conhecer o outro cada vez melhor, construir com ele um lugar no mundo em que as pessoas, ao entrar, sentirão que ali existe vida, sentirão que ali existe carinho sincero e vontade de acertar.

Nos momentos de crise ou de mágoa, dizer “eu te amo” ao parceiro é ter a coragem de lhe dizer que ele fez algo de que você não gostou.

Nos momentos de alegria e êxtase, dizer “eu te amo” é saber compartilhar essa alegria com quem você ama, abrindo seu coração sem reservas.

Nos momentos de dor, dizer “eu te amo” é talvez não dizer nada, mas deixar evidente ao outro que você está ao seu lado aconteça o que acontecer.

Nos momentos em que você perceber que errou a melhor maneira de dizer “eu te amo” é simplesmente dizer: “Desculpe pelo meu erro”.

Nos momentos em que o outro errou, e está triste porque cometeu o erro, a melhor maneira de dizer “eu te amo” é se aproximar lentamente dele, colocar a mão em seu ombro e dizer suavemente: “Tudo bem, já ficou para trás”.

Amar pode dar certo é a frase mais simples possível para traduzir a convicção de que nascemos para amar e ser amados, e que nossa felicidade consiste em realizar essa missão.

O professor

15 de outubro de 2020

Comemora-se hoje o Dia do Professor.

A pergunta que sempre se faz é: o professor tem o que comemorar na sua data especial?

Certamente que não, dirão eles em coro.

Professor é uma das mais antigas profissões do mundo.

E desde os primórdios é maltratado.

A própria história da educação no Piauí registra que por volta de 1820, quando ainda se lutava pela implantação de ensino regular público na Província, o professor já reclamava do salário.

Reclamava tanto do pequeno valor pago como do atraso no pagamento.

Se hoje – pelo menos até agora – o professor não pode reclamar de salário em atraso, pode sim reclamar do baixo salário e da total ausência de reajuste salarial; pode reclamar de falta de estrutura nas escolas, da baixíssima qualidade do ensino, da falta de qualificação profissional, da falta de interesse dos alunos e do próprio governo pelo ensino público e gratuito.

Enfim, motivos para queixas não faltam.

Infelizmente é assim. Esta é a nossa realidade.

Desde os primórdios, o professor exerce um importantíssimo papel na formação do cidadão.

Crianças e adolescentes necessitam de modelo para se construírem na sua liberdade.

Nos primeiros anos de vida, os modelos, as referências são os pais, mas logo depois os modelos são buscados na escola e na sociedade.

Certas coisas só se aprendem na escola, com a mediação de um ser mais experiente, e esse ser é o professor.

O professor é uma espécie de líder a conduzir seu rebanho na longa estrada em busca do conhecimento.

O professor é o começo de tudo.

É com o professor que você vai aprender as primeiras letras; é com o professor que você vai avançar nos estudos até a conclusão de sua formação intelectual.

Os professores são como mestres que levamos pela vida afora, que nos ensinam o saber da vida, muitas das vezes num quadro de giz.

O professor merece um tratamento melhor, merece um tratamento decente, enfim, merece um tratamento digno.

Para o professor – o verdadeiro professor – chega a ser deprimente ter que partir anualmente para movimentos paredistas em busca de um aumento salarial.

Professor não faz greve simplesmente por fazer. Professor cruza os braços é para cobrar seus direitos, seus parcos direitos desrespeitados por autoridades insensíveis.

Jamais seremos um grande estado, um grande país, tratando nossos professores, nossos mestres, com tamanho desprezo.

O professor – queiram ou não – é a base de tudo.

Todos passam por ele.

O professor merece respeito!

Estamos com medo

14 de outubro de 2020

A população piauiense está com medo.

Nós estamos com medo. E temos razões de sobra para isso.

Por mais que alguém queira ignorar a violência que nos cerca, é impossível.  A violência está em todos os lugares.

O noticiário policial está aí para nos mostrar a toda hora que temos razões de sobra para ter medo. Os estampidos das armas de fogo nos lembram a todo instante que corremos riscos. Sérios riscos.

A violência urbana no Piauí é fato. É fato gravíssimo. E mais triste e mais grave ainda é essa certeza cada vez mais forte de que realmente estamos entregues à bandidagem.

Não mais se consegue ficar à vontade em Teresina, por exemplo. Nem em casa e muito menos nas ruas conseguimos ficar tranquilos. Corremos sérios riscos em qualquer uma das situações.

Até quando vamos ter que conviver com essa violência que não tem mais fim?

Até quando teremos que ficar quietos em algum canto enquanto os bandidos ocupam nossos lugares em ruas e praças da cidade?

Cadê a segurança pública, cadê o nosso legitimo direito de ir e vir?

Por que na nossa cidade só o bandido tem acesso a esse direito constitucional?

A impunidade, como muitos dizem, pode ser um dos grandes e graves problemas da questão. Não podemos ignorar que a liberdade concedida a centenas de marginais em nome de uma ação sanitária contribuiu efetivamente para essa situação.

A falta de uma reação forte por parte de quem de direito nos deixa ainda mais preocupados. Afinal, o que está faltando para que a polícia possa reagir a tudo isso?

O que impede a Polícia Militar de ir para as ruas? Faltam homens, faltam viaturas, falta combustível? Ou falta tudo isso e mais alguma coisa? A população quer saber a razão de tanta violência na cidade.

Pagamos os mais altos tributos da nação brasileira e exigimos do estado uma resposta imediata a esse caos que ameaça engolir todos nós.

A população quer saber também porque o próprio estado defende a permanência deste exercito de marginais nas ruas até o final do ano.

Bandido não paga impostos. Quem paga impostos é você, cidadão de bem, é o trabalhador, é o empresário, pessoas que necessitam da proteção do estado. Infelizmente são exatamente essas pessoas que estão sem qualquer segurança.

São essas pessoas que pagam impostos que estão sendo vitimas da bandidagem, que a cada dia se apresenta de maneira mais audaciosa e mais cruel.

O governo precisa sair urgentemente desse estado de letargia em que se encontra. Precisa deixar um pouco a política partidária de lado e cuidar de uma política de segurança pública que seja eficiente e capaz.

Antes que a vaca vá para o brejo e com ela todos nós.

Honestidade

13 de outubro de 2020

 Triste o país que precisa de um dia específico no seu calendário de eventos para celebrar a honestidade.

Triste povo que precisa de um dia específico em seu calendário de eventos para lembrar que ser honesto não é favor, é obrigação.

O Brasil comemora a 10 de outubro o Dia da Honestidade.

Um único dia infelizmente é muito pouco para se festejar a honestidade, principalmente no Brasil.

No nosso Brasil varonil, precisamos festejar a honestidade diariamente, 365 dias por ano. 366 dias se o ano for bissexto.

Fazendo isso, talvez se possa um dia mudar esse quadro atual de tantas roubalheiras.

Honestidade – de uma maneira bem explícita – é a obediência incondicional às regras morais.

Honestidade é a qualidade de ser verdadeiro, não enganar, não mentir e não fraudar.

A honestidade é um bem essencial, não pode faltar no dia a dia das pessoas.

A honestidade tem que ser imprescindível como o ar que respiramos.

A honestidade é uma das maiores virtudes do homem.

Atuar de forma honesta requer respeito pela verdade, que vai além das intenções.

O homem não pode atuar de acordo com os seus interesses.

A honestidade – como diz uma lenda chinesa – é uma flor tecida em fios de luz, que ilumina quem a cultiva e espalha claridade ao redor.

A honestidade é indispensável, mas nem todos pensam assim.

Infelizmente.

Só podemos combater a corrupção com honestidade.

Não se combate desonestidade com desonestidade.

Não se combate um crime praticando o mesmo crime.

Isso não existe.

Se o honesto hoje é uma raridade, nós podemos inverter esse quadro, engrossando as fileiras dos que são verdadeiramente honestos.

Daí a importância de se cultivar valores como a verdade.

Atuar de forma honesta requer respeito pela verdade e isso vai além das intenções.

O homem não pode atuar de acordo com os seus interesses.

Estamos necessitando urgentemente de exemplos de honestidade no Brasil.

Precisamos urgentemente de uma luz que nos mostre o caminho do bem, um caminho do bem traçado por pessoas de bem e que queiram o bem do Brasil e dos brasileiros.

Estamos trilhando o perigoso caminho da desonestidade há muito tempo, temos que voltar atrás.

Temos que recuar no tempo em busca desse caminho do bem do qual nos desviamos em algum momento de nossa caminhada.

O bom senso nos diz que não podemos caminhar assim.

Vamos seguir por um novo caminho e deixar que a justiça faça sua parte de maneira exemplar.

Até mesmo para que o tempo – o senhor de tudo – possas sepultar definitivamente esse passado maldito.

Pode piorar!

6 de outubro de 2020

Faltando pouco mais de 80 dias para o final de 2020 é hora de começar a avaliar os resultados deste ano que não vemos a hora de acabar.

Primeiro temos que admitir que sobreviver ao ano de 2020 está sendo uma verdadeira maratona e que ainda temos que percorrer um bom pedaço de estrada. Mas vamos chegar lá, com álcool gel e máscara, casa sempre que possível e distanciamento social.

Mas não é por isso que devemos deixar de lado coisas igualmente importantes para o nosso dia a dia e para o futuro do Piauí.

Como digo há muito tempo, o Piauí continua marcando passo, sem conseguir sair do lugar, sem conseguir avançar em praticamente nada. Às vezes até retrocedendo.

No ranking de competitividade entre os estados em 2020, por exemplo, conseguimos apenas 26,3 pontos numa escala de zero a 100.

Dos 27 estados brasileiros, incluindo o Distrito Federal, o Piauí é o 26º em competitividade. Estamos à frente só do Acre, E assim mesmo por muito pouco. Desta vez, até o Maranhão, nosso eterno parceiro nas desigualdades, foi embora e nos deixou a ver navio.

O Piauí, onde se fala muito em desenvolvimento, ocupa a 24ª posição no quesito infraestrutura.

Somos o 11º estado do país em acesso a água, mas caímos para o último lugar, o 27º, quando se trata de acesso à rede de esgoto.

Somos o 25º em desigualdade social e o 21º em quantidade de famílias abaixo da linha de pobreza.

Somos o 25º IDH do Brasil e o 22º em mortalidade infantil; somos o 23º estado brasileiro em mortalidade materna e o 10º em mortalidade precoce.

O Piauí é o 21º estado em autonomia fiscal, é o 23º com gastos de pessoal, é o 27º em resultado primário e o 16º em solvência fiscal.

Na área da segurança pública, a pesquisa sobre competitividade dos estados brasileiros nos coloca em 16º lugar em atuação do sistema de justiça criminal; em 15º em déficit carcerário, 26º em morbidade no trânsito e 25º em mortalidade no trânsito.

O Piauí é o 17º estado em mortes a esclarecer e 23º em presos sem condenação.

Somos o 27º em custo do executivo, o 18º em custo do judiciário e o 24º em custo do legislativo.

Somos o 27º em eficiência do Judiciário, o 14º em transparência, o 22º em oferta de serviços públicos digitais e o 27º em produtividade de magistrados e servidores do Judiciário.

É melhor parar por aqui.

E que Deus em sua infinita misericórdia tenha compaixão de nós.

Contato
  • (86) 99972-0111
  • jornalismo@teresinafm.com.br


Anuncie conosco
  • (86) 98153-2456
  • comercial@teresinafm.com.br
Teresina FM