Saúde

Falta de informação sobre obesidade gera preconceito

Médico ressalta que não é uma questão de falta de força de vontade

Publicado por: Lilian Oliveira 18/06/2021, 16:21

O preconceito com pessoas obesas existe pela falta de informação. É o que acredita o cirurgião bariátrico, Aderson Aragão. Ele explica que até mesmo na área médica existem pessoas que pensam que para todos os pacientes a frase “fecha a boca e faz exercício” vai surtir efeito.

O profissional destacou, em entrevista ao JT2 da Teresina FM, nesta sexta-feira (18), que não é uma questão de falta de força de vontade. A cirurgia bariátrica é mais indicada, segundo ele, para pessoas que têm um fator genético, hormonal e metabólico.

Foto: Reprodução/Teresina FM

No Brasil, em 2019, uma em cada quatro pessoas de 18 anos ou mais de idade estava obesa, o equivalente a 41 milhões de pessoas. Eram 29,5% das mulheres e 21,8% dos homens.

Esses dados são do segundo volume da Pesquisa Nacional de Saúde 2019, e foram divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O Médico ressalta que a obesidade é uma doença crônica e sem cura, e que merece ter uma visão multiprofissional. “O cirurgião é a ponta final desse tratamento”, destaca. Ele orienta a buscar por atendimento de outros profissionais, como educador físico e nutrólogo.

Questionado sobre a possibilidade da pessoa que fez a cirurgia voltar a ganhar peso, Aderson explica que a cirurgia é apenas uma parte do tratamento, “a doença vence quando paciente não se ajuda”, enfatiza.

Estaticamente, de acordo com o cirurgião, os pacientes que readquirem peso são exceção à regra. A maioria deles tem controle a longo prazo e isso evita que eles tenham doenças ocasionadas pela obesidade.

Escute a entrevista na íntegra:

Leia também

Contato
  • (86) 99972-0111
  • jornalismo@teresinafm.com.br


Anuncie conosco
  • (86) 98153-2456
  • comercial@teresinafm.com.br
Teresina FM