Banner de Aniversário

Educação

Maioria dos municípios do Piauí pode pagar novo piso dos professores, afirma presidente da APPM

Prefeito de Francinópolis, que também preside entidade, participou de reunião para debater o tema

Publicado por: FM No Tempo 03/02/2022, 09:37

Desde que o governo federal anunciou, na última quinta-feira (27), o reajuste de 33,24% no piso salarial dos professores da educação básica, alguns prefeitos do Piauí alegaram que terão dificuldades em pagar a nova remuneração. A discussão ocorreu em reunião da Associação Piauiense de Municípios (APPM) ocorrida nesta quarta-feira (2) em Teresina.

O presidente da entidade e prefeito de Francinópolis, Paulo César (PP), esteve presente no encontro e explicou que a maioria dos municípios possui condições financeiras de conceder o aumento, embora uma parcela tenha apresentado problemas em pagar o abono salarial no ano passado, por exemplo.

Foto: Teresina FM

“Nesse sentido, o Tribunal de Contas do Estado (TCE-PI) autorizou essas cidades, que não atingiram os 70% do novo Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), a efetuarem o pagamento do abono, enquanto aquelas que extrapolaram o requisito mínimo ficaram impedidas de realizá-lo”, contou em entrevista ao JT1 da Teresina FM nesta quinta-feira (3).

César lembrou que, até o presente momento, não há nenhuma norma que assegure o reajuste; embora tenha sido anunciado pelo Ministério da Educação, um ato oficial deve ser editado para o devido cumprimento da medida. A saída seria, portanto, cada município analisar sua própria realidade financeira e encaminhar projeto de lei às câmaras legislativas.

Em seguida, o prefeito ressaltou que o novo valor (R$ 3.845,00) já estava previsto na antiga Lei do Piso, promulgada em 2008 e revogada em 2020 pelo novo Fundeb. O Congresso Nacional, porém, se recusou a aprovar um projeto de lei apoiado pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), que indexa o reajuste do piso com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Foto: Divulgação/APPM

“Como estávamos em ano pré-eleitoral, os deputados não quiseram ‘se queimar’ com os professores e decidiram cobrar do presidente da República uma medida provisória que cumprisse o mesmo propósito. Ele, no entanto, não fez de acordo com o INPC, mas com o Valor Anual por Aluno (VAAF), que resultou no aumento de 33%”, reforçou.

Quanto ao retorno às aulas presenciais, César mais uma vez defendeu que cada cidade defina seus próprios protocolos. Para o entrevistado, os serviços públicos não podem mais ser prejudicados pelo impacto da pandemia; assim, a vacinação infantil deve ser impulsionada a fim de conter o alto índice de contaminação da variante Ômicron, cujo pico já era previsto desde o ano passado.

Matérias relacionadas:

Contato
  • (86) 99972-0111
  • jornalismo@teresinafm.com.br


Anuncie conosco
  • (86) 98153-2456
  • comercial@teresinafm.com.br
Teresina FM