Geral

Coordenadora do MP-PI afirma que aterros sanitários do Piauí não obedecem a normas ambientais

De acordo com o Centro de Defesa do Meio Ambiente (Ceoma), locais não têm “nenhuma diferença” de lixões

Publicado por: Eric Souza 04/08/2022, 12:17

O Ministério Público do Piauí (MP-PI) lançou, em maio deste ano, o projeto “Zero Lixões: Por um Piauí Mais Limpo”, cujo objetivo é combater o descarte irregular de resíduos sólidos urbanos no estado.

De acordo com um relatório elaborado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-PI) em fevereiro do ano passado, 90% dos municípios piauienses possuem lixões a céu aberto, enquanto somente 10% destinam seu lixo a aterros sanitários ou controlados.

Foto: Teresina FM

“Entretanto, ao visitarmos algumas das cidades entre os 10%, constatamos que se tratavam realmente de lixões. Não havia nenhuma diferença”, revelou Áurea Madruga, coordenadora do Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente (Ceoma) do MP-PI, ao JT1 da Teresina FM nesta quinta-feira (4).

A representante do órgão frisou, porém, que o diagnóstico não apresenta inverdades, mas inclui declarações dos próprios municípios, os quais não puderam ser visitados pelo MP-PI devido à pandemia de Covid-19.

“O fato de os gestores públicos classificarem lixões como aterros chama a atenção pela ignorância da política nacional de resíduos. Um aterro precisa cumprir normas ambientais, entre as quais obter licença e aferir seu lençol freático. Não é simplesmente escolher um terreno qualquer”, observou.

Áurea considerou que, enquanto o lixão é um vazadouro a céu aberto no qual pessoas transitam ao lado de animais, o aterro deve obedecer normas rigorosas e, geralmente, é uma obra de custo elevado, o que foge à realidade orçamentária da maioria das cidades.

Foto: Teresina FM

“Acredito que, dentre os 224 municípios do Piauí, cerca de 220 ainda possuem lixões, mesmo que a legislação brasileira classifique a prática como crime ambiental desde 1998”, apontou.

Nesse sentido, a entrevistada destacou que qualquer avanço na limpeza urbana só pode ser alcançado por meio da atuação interinstitucional, como o termo de cooperação firmado entre o MP-PI, o TCE-PI e o governo do Estado com o objetivo de reunir dados e informações relacionados ao assunto.

“Para que tenhamos aterros sanitários licenciados, é necessário que os gestores se reúnam e fomentem orçamento e estrutura adequados”, finalizou.

Confira a entrevista completa no Jornal da Teresina 1ª Edição desta quinta-feira (4):

Contato
  • (86) 99972-0111
  • jornalismo@teresinafm.com.br


Anuncie conosco
  • (86) 98153-2456
  • comercial@teresinafm.com.br
Teresina FM