Banner de Aniversário

Geral

Pesquisador afirma que o aumento da fome no Brasil se deu por causa da crise política

Em 2020, o Brasil ainda integrava o grupo de países com menos de 2,5% de prevalência subalimentar entre a população

Publicado por: Juliana Andrade 04/08/2022, 15:12

Matéria de Rodrigo Carvalho

Agência Nordestina de Notícias (ANN)

O avanço da fome no país desperta a atenção da ONU a Organização das Nações Unidas, em 2014 a entidade retirou o país do chamado Mapa da Fome um marco mundialmente reconhecido no caminho à promoção do direito humano à alimentação adequada e saudável, porém desde 2015 o país voltou a registrar aumento do numero de pessoas com insegurança alimentar, como explica o representante do Brasil do Programa Mundial de Alimentos (WFP) e diretor do centro de excelência contra a fome da ONU, Daniel Baladan.

“Ao contrário de vários outros países do mundo que são mais pobre, onde não há produção de alimentos, o caso brasileiro é diferente. O Brasil está entre as dez maiores economias do mundo, é um dos maiores produtores de. Se torna até inconcebível que um país com todas essas qualificações tenha tantas pessoas nessa situação”, diz.

Quando indagado sobre o motivo do  avanço da fome no país, o diretor do centro explica que se deve a crise econômica e politica que se instaurou no país nos últimos anos que culminou na falta de investimentos para o combate a fome.

“Todo processo de combate a fome ele nunca termina. Se hoje, os países desenvolvidos do mundo pararem com os projetos sociais vai haver um aumento da fome. O Brasil parou de investir em programas sociais por conta da crises que assolaram o país”, comenta.

14 milhões de brasileiros entraram em situação de fome em 2021 (Foto: Agência Brasil)

Daniel Baladan lamenta que as crises enfrentadas pelo país tenha impedido a continuidade do programa Fome Zero. “A estratégia do Fome Zero deu resultados maravilhosos tanto que o Brasil inclusive se tornou exemplo no combate a fome. Mas, infelizmente por conta de todos os problemas políticos que o Brasil enfrentou nos últimos anos, que não foram poucos, isso tudo desestruturou o país permitindo a volta dessa situação”, explica.

Sobre a cidade símbolo do programa Fome Zero, Guaribas no Piauí, ainda não ter conseguido erradicar a fome ele explica que a descontinuidade do programa seria o motivo da cidade não ter avançado mais como poderia nesse enfretamento da extrema pobreza. “Gosto muito dessa região, já visitei em vários épocas. Quando houve os investimentos Guaribas respondeu, foi um dos municípios que conseguiu avançar na erradicação da fome. Toda região precisa de apoio para que saiam dessa situação”, afirma.

Em 2020, a Organização das Nações Unidas para agricultura e alimentação ainda colocava o Brasil no grupo de países com menos de 2,5% de prevalência subalimentar entre a população, resultado que é contestado por alguns pesquisadores. A Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional por exemplo, aponta que a insegurança alimentar grave – ou seja, a fome – atinge 9% da população. Os resultados evidenciam que, em 2020, a insegurança alimentar e a fome no brasil retornaram aos patamares próximos aos de 2004.

Contato
  • (86) 99972-0111
  • jornalismo@teresinafm.com.br


Anuncie conosco
  • (86) 98153-2456
  • comercial@teresinafm.com.br
Teresina FM