Por que não o Moro?

15 de maio de 2019

Não somos apenas um país engraçado, nós também somos engraçados.

Daí as dificuldades de se entender o Brasil e os brasileiros.

O maestro Tom Jobim, que morreu em 1994, tinha inteira razão quando dizia que o Brasil não é um país para principiantes.

Continua assim. O Brasil continua  sendo um país incompreensível para principiantes. Ninguém consegue entender o Brasil e muito menos os brasileiros num primeiro olhar.

Não faz muito tempo assim, saímos às ruas e protagonizamos um dos maiores eventos cívicos de que se tem noticia neste país: milhares de pessoas em todas as regiões do Brasil foram às ruas dizer chega de corrupção!

O verdadeiro combate à corrupção no Brasil – queiram ou não – tem uma marca e nessa marca está escrito, de forma definitiva e irrefutável, o nome de Sergio Moro.

Neste momento Brasil, quando o presidente da República anuncia sua disposição de indicar Sérgio Moro para uma futura vaga no Supremo Tribunal Federal, o mundo desaba. Principalmente o mudo político.

E, repetindo o que disse o maestro Tom Jobim, como o Brasil não é um país para principiantes, o questionamento se faz inevitável: e por que não Sérgio Moro? O que tem Sérgio Moro que o torna pequeno para uma toga suprema?

Quando olhamos para a atual composição do Supremo Tribunal Federal temos a certeza de que ali tem vaga sim para Sérgio Moro.

A imensa maioria do povo brasileiro quer isso, mas os políticos nem tanto.

Os políticos nacionais, que dizem representar o povo, falam outra língua bem diferente da língua do povo que dizem representar.

Há uma clara rejeição ao ministro Sérgio Moro no meio político da Nação. É notório isso.

Os políticos que representam o povo não querem discutir as propostas de combate ao crime, embora saibam perfeitamente que seus eleitores clamam por isso. Não discutem simplesmente porque são propostas feitas por Sérgio  Moro e entre elas está uma que trata da prisão após  condenação em segunda instância. E isso aí soa como aquela história de se falar em corda em casa de enforcado.

Político tem horror a isso, por razões que todos nós conhecemos bem.

Sérgio Moro está pagando um preço muito alto pela sua ousadia em cumprir a lei.

Só mesmo num Brasil indecifrável para principiantes para tratar como relevante um assunto deste tipo.

Cumprir a lei é apenas a obrigação de todos, não um favor incompreendido por muitos.

Como ensinava Rui Barbosa, política e politicalha não se confundem, não se parecem, não se relacionam com a outra. Antes se negam, se repulsam mutuamente. A política é a higiene dos países moralmente sadios. A politicalha, a malária dos povos de moralidade estragada.

Precisamos aprender essa lição.

 

Leia também

Contato
  • (86) 99972-0111
  • jornalismo@teresinafm.com.br


Anuncie conosco
  • (86) 98153-2456
  • comercial@teresinafm.com.br
Teresina FM