Banner de Aniversário
Gif sobre o fundo estadual dos direitos da criança e do adolescente.

Mal pago, mal visto e maltratado

16 de julho de 2019

Um especialista português disse, referindo-se à educação de Portugal, que no futuro ninguém vai querer ser professor em seu país.

No futuro, segundo ele, todo professor será mal pago, mal visto e maltratado. E olhe que o professor português, se comparado com o nível salarial de seu colega brasileiro tem muito o que comemorar.

O professor brasileiro não padece apenas na questão salarial. O professor brasileiro sofre com a falta de estrutura das escolas. Assim fica muito difícil alcançar um nível de excelência.

Os números dos levantamentos da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico no campo da educação são tão assustadores que não nos deixam dúvida quanto ao nosso futuro.

Segundo publicação d’O Estado de São Paulo, 52% dos brasileiros entre 25 e 64 anos não concluíram o ensino médio.

Outro problema brasileiro: o número de alunos com idade superior a 14 anos que abandonaram os estudos.

Entre 15 e 19 anos, 69% dos adolescentes e jovens estão matriculados numa escola. E, na faixa dos jovens de 20 a 24 anos, só 29% estudam.

Com relação ao acesso ao ensino superior, a pesquisa revela que somente 17% dos jovens com idade entre 24 e 34 anos conseguem ingressar no ensino superior.

Além disso, segundo o Estadão, as desigualdades regionais têm agravado a formação das novas gerações.

No Maranhão, que é o Estado com o menor Produto Interno Bruto per capita, somente 8% dos jovens adultos conseguem formar-se no ensino médio e ingressar no ensino superior.

No Distrito Federal, 33% dos brasileiros dessa faixa etária chegam à universidade.

O levantamento da OCDE aponta os efeitos trágicos da crise do nosso sistema educacional. Se no passado o ensino médio preparava os estudantes para o mercado de trabalho ou para o ingresso no ensino superior, atuando assim como instrumento de ascensão social. Hoje, em face da revolução tecnológica, ele oferece apenas o mínimo exigido para a vida numa sociedade moderna.

Por isso, ao impedir que os jovens e adolescentes possam aprender e explorar suas capacidades cognitivas, um ensino médio sucateado e de má qualidade nega-lhes a capacitação necessária para que possam desempenhar de modo competente uma atividade profissional.

Nega-lhes a possibilidade de se inserir no mercado formal de trabalho e de se emancipar econômica e culturalmente. Também dificulta a formação do capital humano de que o País necessita para a passagem a níveis mais sofisticados de produção. E ainda impede o Brasil de ocupar novos espaços no comércio mundial, diante de competidores que não medem esforços para investir seriamente em boa educação, ciência e tecnologia.

O Brasil jamais reverterá esse quadro se não se   decidir a valorizar o professor. O professor é o começo, é o meio e o fim. Sem ele não há educação de qualidade.

Ou valorizamos nossos mestres ou trilharemos aquele caminho falado no início sobre o professor português: mal pago, mal visto e maltratado.

Leia também

Contato
  • (86) 99972-0111
  • jornalismo@teresinafm.com.br


Anuncie conosco
  • (86) 98153-2456
  • comercial@teresinafm.com.br
Teresina FM