Banner de Aniversário
Gif sobre o fundo estadual dos direitos da criança e do adolescente.

Renato Russo vive!

15 de outubro de 2019

 Pedido do ouvinte Vanderlei Deolindo

 

 

Quando querem transformar
Dignidade em doença
Quando querem transformar
Inteligência em traição
Quando querem transformar
Estupidez em recompensa
Quando querem transformar
Esperança em maldição:
É o bem contra o mal
E você de que lado está?

                   Renato Russo

 

O final de semana passado marcou os 23 anos da morte de Renato Russo, um músico e compositor brasileiro que marcou sua época e a todos nós com composições e canções inesquecíveis.

 

Para muita gente, inclusive gente nascida depois de 11 de outubro de 1996, data da sua morte, Renato não morreu.

Renato Russo não morreu e nem vai morrer.

Renato será sempre um clássico da música brasileira, mesmo nunca abdicando da identidade roqueira.

É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, porque se você parar para pensar, na verdade não há.

Se o Brasil continua o mesmo, porque Renato Russo haveria de morrer?

 

O Brasil de hoje é o Brasil de 1978, quando ele cantou:

“Nas favelas, no Senado

sujeira pra todo lado

Ninguém respeita a Constituição

Mas todos acreditam no futuro da nação”.

 

O Brasil de hoje é o mesmo Brasil de 1993, quando Renato Russo cantou:

“Vamos celebrar a aberração

de toda nossa falta de bom senso

nosso descaso por educação

vamos celebrar o horror

de tudo isso — com festa, velório e caixão”

 

Renato Russo cantou o Brasil de seu tempo e continua cantando o Brasil de hoje, porque o Brasil continua o mesmo. Não mudou nada.

 

É a verdade o que assombra
O descaso que condena
A estupidez o que destrói.
Eu vejo tudo que se foi
E o que não existe mais
Tenho os sentidos já dormentes
O corpo quer, a alma entende
Esta é a terra-de-ninguém
Sei que devo resistir
Eu quero a espada em minhas mãos…

 

Como diz seu amigo Arthur Dapieve, Renato vive porque tinha a dimensão da própria genialidade e graças a ela trabalhava de olho na posteridade.

O próprio Renato Russo dizia que se preocupava em fazer um texto que 200 anos depois a pessoa não necessitaria de nota de rodapé para compreendê-lo. Ele fez.

 

Como expressar nas palavras,
os gestos que queria fazer,
as coisas que gostaria de ver,
os belos amanhecer e entardecer,
e o sombrio morrer…
faltam-se falas.

E todos nós seguimos escutando Renato Russo como se ele fosse um profeta bíblico.

Renato Russo afirmava ter horror a bancar o porta-voz de sua geração, mas acabou se tornando o porta-voz de várias gerações.

Resta-nos continuar ouvindo suas canções.

E nunca deixe que lhe digam que não vale a pena acreditar no sonho que se tem.

Leia também

Contato
  • (86) 99972-0111
  • jornalismo@teresinafm.com.br


Anuncie conosco
  • (86) 98153-2456
  • comercial@teresinafm.com.br
Teresina FM