Propaganda do Governo do Estado do Piauí

O Piauí que não vai

25 de agosto de 2020

O empresário Silvio Leite, ainda hoje considerado por muitos como um dos gênios da propaganda, quando serviu ao governo estadual cunhou a frase “É feliz quem vive aqui”.

A frase, bem recebida no meio, assinava todas as peças publicitárias do governo Wellington  Dias.

Sílvio se foi e seu substituto criou o “O Governo do Desenvolvimento”. Mais à frente, surgiu então o “Piauí que cresce com a sua gente”.

Sílvio Leite com o seu “É feliz quem vive aqui”, tentou levantar a autoestima do piauiense e, a bem da verdade, até que conseguiu melhorar o ânimo de muitos.

As demais adotaram outro caminho. Procuravam fazer com que as pessoas acreditassem que o Piauí era um estado em pleno desenvolvimento e que crescia com a sua gente.

O tempo passa e o que acontece? Nada!

As estatísticas teimosamente nos mostram que o Piauí continua com a bola murcha. Muito murcha.

Apesar da criatividade dos publicitários, continuamos sem apresentar crescimento real algum.

O único crescimento por estas bandas tem sido no numero de pessoas beneficiadas pelo governo federal com o programa Bolsa Família. E isto não deve ser tomado como motivo de orgulho. Pelo contrário.

Quando se amplia o numero de pessoas dependentes de programas oficiais de distribuição de renda é sinal de que as coisas não vão tão bem assim.

Os últimos números do governo federal mostram que o Piauí que cresce com a sua gente tem mais beneficiários do programa Bolsa Família do que empregos formais.

São 453 mil pessoas que recebem o benefício e apenas 289 mil empregados.

Trocando em miúdos: Dos pouco mais de 3 milhões de habitantes do Piauí, pelo menos 1 milhão e 800 mil pessoas sobrevivem de uma forma ou de outa graças ao Bolsa Família, direta ou indiretamente.

Triste realidade, a nossa.

Ceará, Rio Grande do Norte e Pernambuco, por exemplo, respiram ares diferentes. Lá, o numero maior é de empregos formais.

Os números atestam que por estas bandas, a única coisa que cresceu foi a miséria.

Situação essa que pode ser visto a olho nu, sem qualquer dificuldade, andando pelas ruas de nossas cidades. Observem como cresceu de forma assustadora o numero de pedintes perambulando pelas principais avenidas.

Muitos certamente dirão que a culpa é da pandemia, que a culpa é do coronavírus.

O vírus deve ter lá sua participação, claro. Mas o vírus é um elemento novo na nossa história e na nossa economia. Ele começou em março e as nossas mazelas estão expostas há muito mais tempo.

Saudades do tempo do “É feliz quem vive aqui”!

Mesmo sendo um tempo também de mentirinha, de faz de conta!

Leia também

Contato
  • (86) 99972-0111
  • jornalismo@teresinafm.com.br


Anuncie conosco
  • (86) 98153-2456
  • comercial@teresinafm.com.br
Teresina FM