O poeta

20 de outubro de 2020

Costumamos homenagear os mais diversos segmentos da sociedade.

Homenageamos o professor, a criança, o Piauí; homenageamos personalidades, políticos.

Hoje, nossa homenagem vai para um ser muito especial, singular mesmo. Um ser respeitado por muitos, mas que às vezes é tido como louco, lunático, desocupado, vagabundo…

Homenageamos hoje o poeta. Fernando Pessoa, o grande poeta português, dizia que o poeta é um fingidor, finge tão completamente que chega a fingir que é dor a dor que deveras sente.

Outros menos famosos dizem que o poeta é orgulhoso, mas o orgulho dos poetas não passa de defesa; a dúvida atormenta até mesmo os melhores; eles necessitam de nosso testemunho para não se desesperarem.

A poesia é a arte de materializar sombras e de dar existência ao nada;

Da Costa e Silva, o poeta maior do Piauí, dizia que o poeta nasce poeta:

Quando nasci, o Destino
Fez-me poeta, ainda no berço;
Tanto assim que, pequenino,
Minha mãe, rezando o terço,
Pensava no meu destino,
Entre os vaivéns do meu berço…

O poeta é, na verdade, um iluminado.

Só o poeta consegue ver através das coisas, pode ver o sentimento.

Só o poeta ler com os olhos e sente com a alma; só ele e mais ninguém tem essa capacidade de compreender aquilo que fisicamente não existe.

Para o poeta sorocabano Ulisses Tavares, só o poeta consegue enxergar o que ninguém vê.

O poeta nos faz enxergar, sentir, amar e ver o belo no simples.

Só o poeta é capaz de definir com perfeição uma saudade, porque a poesia é a arte de materializar sombras e de dar existência ao nada.

Segundo Ataíde Lemos, escritor paulistano, um poeta romântico nos faz viajar no amor; um poeta social, crítico, nos faz refletir nossas atitudes; um poeta nostálgico nos faz viajar dentro de nosso interior saudoso; um poeta da terra nos faz desfrutar da beleza que há na natureza num simples som de um riacho, num cantar de pardal.

O poeta e a poesia são fundamentais para as emoções dos seres humanos. 

Como escreveu uma poetisa portuguesa:

 

Ser poeta é ser mais alto, é ser maior

Do que os homens! Morder como quem beija!

É ser mendigo e dar como quem seja

Rei do Reino de Aquém e de Além Dor!

É ter de mil desejos o esplendor

E não saber sequer que se deseja!

É ter cá dentro um astro que flameja,

É ter garras e asas de condor!

É ter fome, é ter sede de Infinito!

Por elmo, as manhãs de oiro e de cetim…

É condensar o mundo num só grito!

 

Leia também

Contato
  • (86) 99972-0111
  • jornalismo@teresinafm.com.br


Anuncie conosco
  • (86) 98153-2456
  • comercial@teresinafm.com.br
Teresina FM